2.2.09

Acusados, Eleitos e Nomeados

Dois em um, no blog da Franssinete Florenzano.

1.
Bira Barbosa vai renunciar à presidência e também à condição de membro titular da CPI da Pedofilia na Alepa. Será substituído por Suleima Pegado. Regina Barata vai assumir a presidência da CPI. Amanhã, em reunião administrativa após a sessão ordinária, as mudanças serão oficializadas.

2.
Já apareceram os nomes de mais três deputados estaduais da ativa em meio às atividades da CPI da Pedofilia no Pará. Além de um conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, que responde processo por abuso sexual de menor.

6 comentários:

Anônimo disse...

Olá Juca,
Aproveitando a matéria, peço a vc como grande jornalista que é, que encabeçe a ordem de esclarecimentos quanto ao uso do termo "pedofilia" por parte da imprensa e de todos os cidadãos que hoje se deparam com a enchurrada de crimes praticados contra menores.
O crime em questão é o de "ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES" previsto tanto no Código Penal Brasileiro como no Estatuto da Criança e do Adolescente.
De uma forma totalmente errônea se passou a qualificar tal crime como "PEDOFILIA". A palavra existe mas não expressa crime, pelo contrário, de acordo com nossos estudiosos da Língua Portuguesa, trata-se de toda pessoa que gosta de crianças, que ama crianças... sendo assim, pais, avós, tios, padrinhos e outros que tenham realmente amor e carinho pelas crianças. O termo "PEDOFILIA" não significa e nem expressa toda esta monstruosidade que vem sendo praticada contra as crianças.
Os monstros que abusam de menores, são mosntros que praticam o CRIME DE ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES", razão pela qual peço principalmente à imprensa que corrija tal distorção quanto a aplicação do termo pedofilia.
É imperioso que tal matéria se esclareça, pois daqui a pouco, teremos criminosos sendo absolvidos sob a égide de estarem sendo acusados de terem cometido um crime inexistente na legislação penal brasileira... A CPI da "PEDOFILIA" como está sendo conhecida, já prega através de alguns de seus membros... tal direcionamento para inocentar os acusados de tal crime... É preciso corrigir e ficarmos alerta!!!
Obrigada pelo espaço e atenção.

Juvencio de Arruda disse...

Caríssimo, muito obrigado por suas palavras, mas não sou jornalista. Sou grande, 120 kls...rs
Já havia lido, por esses dias, a correção que vc faz.
Mas daí derivar que o uso indevido da palavra induz à absolvição do(s) acusado(s), sinceramente, não concordo.
É claro que o relatório da Comissão, e se for o caso, o oferecimento da denúncia, vai enquadrar o(s) suposto(s) autor(es) pelo crime de ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES, como vc quer.
De todo modo, passarei a tratar o assunto com o enquadramento legal
e etimológico ( seria isso?) correto.
Obrigado pelo alerta e um abs.

Anônimo disse...

Por que o deputado Bira Barbosa deixará a presidência da CPI ?

Parsifal Pontes disse...

Olá Juvêncio,

Permita-me, com o devido respeito a quem postou o comentário das 6:22PM, discordar absolutamente da definição emprestada ao termo pedofilia, no sentido de descriminalizar o seu conceito.
Na verdade, a definição dada pelo comentarista caiu em desuso há mais de 1000 anos, e era assim entendida na sua origem, na Grécia antiga: pedo, criança; filia, amor, carinho, afeição, atração.
Mesmo ali já se constituíam circunstâncias em que a pedofilia pervertia-se em atração sexual, amplamente tolerada pela sociedade da época.
Na Idade Moderna, quando o arcabouço jurídico recepcionou a prática do relacionamento sexual com crianças como criminosa, o termo que a classificou foi exatamente a palavra pedofilia, que passou a se definir exclusivamente como a atração sexual por crianças.
A própria literatura psicológica define o termo pedofilia como sinônimo de pedosexualidade e a trata como uma perversão sexual.
A natureza jurídica do abuso sexual contra crianças e adolescentes tem como definição substantiva a pedofilia, que, em nenhum compêndio científico, ou dicionário lingüístico do mundo inteiro tem hoje definição diversa: basta consultar o Aurélio, que eu reputo o melhor do Brasil, ou o Merriam-Webster, que eu reputo o melhor da língua inglesa, que a definição será a mesma.
Não há, portanto, nenhuma dúvida de que o termo está correto na definição conferida e não há a menor possibilidade de absolvição por equívoco semântico.
São pedófilos mesmo, os que têm atração sexual por crianças e delas abusam sexualmente.

Obrigado,

Parsifal Pontes

Juvencio de Arruda disse...

Olá deputado, prazer em revê-lo.
Obrigado por seu contraponto ao comentário anterior.
Concordamos quanto a tese da descriminalização pelo uso supostamete incorreto.
Não tive tempo para consultar minha mestre na matéria, a profa. Telma Lobo. Vou fazê-lo em breve.
Concordo quanto ao Webster, mas o Caldas Aulete é maravilhoso, mesmo minha edição muito antiga.
Obrigado pela visita.

Anônimo disse...

O sujeitinho do TCE tem muita história pra contar. E não adianta nem correr, literalmente...