6.2.09

Defuntos

Sob o título Estado de Choque, no blog do Cjk.

Informação no celular. Na Assembléia Legislativa hoje de manhã, o silêncio nos corredores é o de porta de capela de cemitério, na hora em que estão velando defunto. As pessoas parecem andar de pantufas.

E na caixinha de comentários, um anônimo comemora o cerco.

hahahah, no Tribunal de Contas também estão em ritmo de missa de sétimo dia.

----

Aguardem. Tem mais.

25 comentários:

Anônimo disse...

Não basta só o cerco se fechar para uns.
Roubar a inocência de meninas e meninos não é só crime, mas é um distúrbio a ser execrado.
É por isso que continuam a chegar denúncias e provas indiscutíveis contra poderosos reicidentes.
Em Ananindeua, pululam relatos de abusos cometidos pelo ex-prefeito, hoje deputado estadual.
É só solicitar informações da PC que vamos percerber que só o "nobre" deputado Luis Seffer não pode ser a única palmatória neste Estado.
Em nome da decência de quem esperar criar filhos e filhas sãos, é que se clama por atitude.

Anônimo disse...

No mesmo tema: Importante agora é fazer uns levantamentos das ações daquele deputado da onda, lá pras bandas da Belém-Brasília. Tempos idos, o distinto seduzia as crianças de São Miguel. Eu disse meninas ? então disse bem.

Ale Carvalho disse...

Juca, olha essa da Monica Bergamo de hj Regime

José Sarney vai contratar a FGV (Fundação Getúlio Vargas) para estudar a reformatação da área administrativa do Senado. Ele deve também procurar a USP (Universidade de São Paulo) para consultoria no mesmo projeto.

Ale Carvalho disse...

continuando..

PONTE
E o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP) telefonou a Sarney para cumprimentá-lo pela eleição no Senado. "Você tem coragem", disse FHC. "Não foi possível resistir", disse Sarney. Os dois romperam na eleição de 2002, quando o senador apoiou Lula -mas voltaram a se aproximar há cerca de dois anos.

Anônimo disse...

O CJK não entendeu o motivo do clima de silêncio: hoje é sexta-feira. Ninguém trabalha na ALEPA às sextas (nem nas segundas, terças e quintas).

Anônimo disse...

No TCE não tem nenhum ritmo de missa de sétimo dia.

Simplesmente porque não se pode acusar ninguém sem provas concretas.

Especulação não é prova.Uma acusação tácita, é bem diferente de um inquérito formal e legal.

Além do que, não há graça nenhuma em missa de sétimo dia, muito menos, nas especulações sobre este tipo de crime.

É muito fácil apontar o dedo, mas, nunca esqueça que com este ato há outros três dedos apontados para si mesmo.

Não façamos comparações. Esperemos sim, que as autoridades demonstrem provas cabais para incriminar alguém.

É de uma irresponsabilidade tamanha, citar nomes, sem a devida comprovação.

Lutamos muito para viver em Sociedade Democrática de Direito, não façamos aos outros o que não quereríamos para nós.

Juca, sei de sua responsabilidade, bom senso e critério. Não se deixe levar por uma onda de denuncismo, com o claro objetivo de tirar o foco.

Juvencio de Arruda disse...

Engraçado...estava lendo este comentário do anônimo do blog do dr. Kayath e pensando quanto tempo levaria para que alguém comentasse a postagem.
Muito bem.
A repercussão de uma notícia dessas - a existência de um conselheiro suspeito de pedofilia -só poderia gerar tres reações: euforia, preocupação, indiferença.
Não me pareceria lógico que acontecesse a primeira. Muito menos a última.
Resta a coluna do meio.
Obrigado por reconhecer o bom senso e o critério do blog, mas não há, neste caso, denuncismo.
Nem desvio do foco, se vc quer se referir ao caso Sefer.
Este, amigo, já até queimou de tanta luz.
Os focos, agora, apontam para outras direções. Muitas.
Entre elas, preocupantemente, o TCE. Paciência.
Quanto ao fato dos "tres dedos apontados para si mesmo", essa passou longe de mim.
Nada devo. Ao TCE e à ninguém.
E quem deve não teme.

Anônimo disse...

Caro Juca,

Não precisa de cão farejador para saber de onde vem esse anônimo das 3h40. Basta averiguar a intensidade de sua preocupação em salvaguardar o que ele quis chamar de Sociedade Democrática de Direito (sic).

Concordo com ele(a) no aspecto do clima do TCE. Acredito que somente uma parte do TCE (caberia em um gabinete) esteja em clima de velório. Pelo que sei, o carisma é um acessório pouco usado por este conselheiro. Corrija-me (vale para os demais colegas comentaristas) se minha fonte tiver falhado comigo.

Abs,

J. BEÁ

Anônimo disse...

Tenho acompanhado pari passu a CPI e os casos assombrosos de pedofilia, infelizmente são muitos.

No meu comentário não quis atacá-lo, muito pelo contrário, externei uma opinião.

Preocupação, como você certamente diz, e a sensação para o caso que você posta e comenta. Preocupação de não errar, preocupação de não acusar alguém sem a devida e contundente prova, preocupação de generalizar a coisa, preocupação de desestruturar a vida de uma pessoa.

Há sim denuncismo, meu caro. O que se fala em sessão secreta, pelo próprio nome, o é. O que vaza, são fatos passíveis de dúvida.

Como disse, acompanho a CPI e não há nenhum inquérito legal, ação ou representação contra conselheiro do TCE. Nem em segredo. Pelo menos até o dia de hoje, não.

Desvio de foco, também não é do caso Sefer, pois, esse sim, existe processos legais em andamento. Você tem suas fontes e sabe muito bem a que me refiro. Mas, se não sabe no devido momento e com provas, comentarei aqui.

Sei de sua antipatia pelo TCE, percebe-se pelos seus posts e comentários. Você deve ter lá suas razões e é um direito seu. Paciência.

Quanto aos três dedos não foi direcionado a você, e sim, a todos, eu inclusive. O ônus da prova é de quem acusa. E todos são inocentes até prova em contrário e sentença transitada em julgado.

Quem não deve, não teme. Certo? Certo. E até quem deve não tem o que temer, pois pra isso existe a Justiça. Se cometeu uma falta legal, responda pela mesma. Com tutela do Estado, do Judiciário.

Agora, o que não pode, e querer tripudiar com palhaçadas de gosto duvidoso, como fez o comentarista do blog do CJK, que você reproduziu aqui.

Espero, sinceramente, que você continue a não dever ninguém. O que, diga-se de passagem, é muito difícil nos dias de hoje.

Anônimo disse...

É verdade J.Beá,

Por um ato falho digitei erroneamente. Quis dizer: "em sociedade num Estado Democrático de Direito". Obrigado pela correção.

Para tentar amenizar sua curiosidade, sem o devido cão farejador, não tenho nenhum interesse. É simplesmente o que me veio às mãos. Documentalmente e não plantado ao pé do ouvido.

Igualmente a você, tenho meu ponto de vista.

Juvencio de Arruda disse...

Das 3:40 e 5:18.

1.Não vamos chegar a um acordo sobre a questão do denuncismo. Respeitemos a divergência.
No Quinta, repilo.
Quanto aos vazamentos, talvez a única alternativa contra o abafamento das denúncias e depoimentos, até agora não foram desmentidos por seus autores: o bispo, e as delegadas. Nem serão, pode ter certeza.
Alguns detalhes destes depoimentos chegam até este blog por outras vias que não as sessões da Comissão. Nem todos eu publico, pelo conteúdo de monstruosidade que contém. Não por ausência de comprovação: elas são as próprias provas.
Deixarei para postá-las quando o relatório final for apresentado.

2. Vou aguardar o momento que vc julgar devido para receber suas considerações sobre a questão do foco.

3. Não tenho antipatia ou apreço por instituições, embora o TCE seja, efetivamente, devedor à sociedade paroara, nem mais nem menos do que tantas outras instituições, e não só aqui no Pará. Direito meu e da sociedade, como vc bem reconhece.
O TCE, relembro, acaba de protagonizar o lamentável epispódio de nepotismo quando seu presidente, quase debaixo de vara, exonerou os funcionários ilegais.

4. Admito ser seu direito classificar como palhaçada de gosto duvidoso o comentário do anônimo do blog do Cjk , aqui reproduzido. Cjk e Quinta, como muitos outros, são blogs de opinião. O anônimo opina, vc também.

5. Encontro, sem dificuldade, pessoas que nada devem à alguém.
Espero, sinceramente, que vc também seja uma delas

Juvencio de Arruda disse...

Sim, ia esquecendo: sobre a presunção de inocência, voto com os tres ministros que se negaram entregar o país aos bandidos e seus advogados, o resultado que teremos com a Súmula 14, publicada hoje.

Anônimo disse...

É o seguinte, vamos acabar com essa história de que existe um "perfil" da pessoa que abusa sexualmente de menores. Não há perfil psicológico, nem social, nem econômico. Pessoas de reputação ilibada foram presas em flagrante com menores em motéis. Pessoas insuspeitas foram presas acusadas de pertecerem a uma rede internacional de difusão de imagens pornográficas de crianças. Então fica combinado, não dá pra confiar em ninguém nesses casos, porque não sabemos o que as pessoas fazem entre quatro paredes.

Alessandro de Melo

Anônimo disse...

Caro(a) das 5:32,

Vc já amenizou minha curiosidade com seu comentário às 5:08.

Espero sinceramente que vc esteja defendendo com verdadeira propriedade este conselheiro. Não por ele, mas por ser uma criança/adolescente a menos livre de algo tão bárbaro.

Meus cumprimentos.

J. BEÁ

Anônimo disse...

Olha seu Quinta, mais uma vez parabens a vc e aos (quase todos) comentários desse post.
Assim se faz, sadia e inteligentemente, o debate.
Mandaram muito bem.
Equilíbrio e sensatez.
Valeu!

Juvencio de Arruda disse...

Seu anônimo, obrigado, em meu nome e dos comentaristas, quero crer.

Anônimo disse...

lá vai eu meter o meu bedelho hahaha...

A - Acusação tácita? (então não seria, né não?)

B - Inquérito formal e legal? (pode existir um sem outro)

C - Só se acusa com provas cabais ou com prova contundente? (o inquérito é apenas uma peça informativa, podendo haver produção de provas durante a ação penal)

D - O ônus da prova não é somente de quem acusa, mas sim daquele que alega. Se há acusação, prove-as. De outro lado, defenda-se provando que não procede (caso fosse assim tão simples, não haveria instauração de litígio, pois bastaria refutar genericamente qualquer demanda judicial).

E eu pergunto pro "sr. falta legal": Você deve alguém?
Eu, por exemplo, estou devendo o quitandeiro aqui da conselheiro...
hehehe
Po Juca, é cada figura que aparece aqui. E domingo, o que vai ser?
Abs.,
O Vigiador.

Juvencio de Arruda disse...

Papão. 3 x 0.
Abs, seu devedor de quitandas...rs

Anônimo disse...

por aqui mestre?

Juvencio de Arruda disse...

Sim,mestre.

Anônimo disse...

Como é que é? "O Vigiador". Ou seria O Viajador?!

Tácito é o não formalmente expresso. Nem sempre o que é formal é legal.

O inquérito é o conjunto de atos e diligências que têm por objetivo apurar a verdade de fatos alegados. Não houve nem inquérito, muito menos, ação.

Toda afirmação precisa de fundamentação, é esse o ônus da prova.

A desinteligência é comum em qualquer demanda, inclusive, judicial.

E genérico, só o remédio para os destabocados.

Devo. Devo muito aos meus pais, minha família, meus amigos, minha consciência, equilíbrio e sensatez.

Por sinal, o ônus da prova é do quitandeiro da conselheiro (muito engraçado), aconselho você a pagar. Afinal, quem deve ao quitandeiro, imagina o restante.

Vigiador, continue vigiando. É importante. Mas, compre os óculos ou um Vade Mecum.

Anônimo disse...

As vezes, quando leio discussões de advogados (ou rábulas) aqui no Quinta sobre aspectos legais ou definições e conceitos do direito, tenho a impressão de que existem bons e maus advogados, é isso mesmo ou estou enganado?? :)

Anônimo disse...

hahahaha...
Faz-me rir paraquedista de TCE!
Para um rábula (ou não seria o próprio?) você está muito desinformado e confuso. Tem que se informar e estudar.
Juca, imagina se o Ranolfo exigisse o pagamento da conta toda vez? Abraços,
O Vigiador.

p.s - by the way, o "pendura" na quitanda foi conta de uns alguns limões que peguei ontem para fazer uma caipirinha, enquanto navegava pelos blog´s.

p.s2 - vou dormir tranquilo hoje a noite, amanhã, depois ... e sempre. E você?

Anônimo disse...

Vigiador,

Os seus juízos de realidade e valor, valem pra mim o mesmo que um caroço do limão que você "pendurou" para fazer a caipirinha, para acelerar seus neurônios.

Ao contrário de você, vejo e analiso o caso com seriedade e serenidade. Fique você com sua bazófia.

Graças a Deus, durmo todas as noites o sono dos justos.

E continue vigiando, pois, como vigiador você é ótimo viajante.

Anônimo disse...

Viajador? hehehe...
Juca, espero que esse aí de cima não tenho um sítio, chácara ou coisa do gênero semelhante a Nerverland!
E, o bazófio aqui, certamente, não sou eu. Poderia até sê-lo, no srntido da fanfarronice, nunca no da mentira, diferentemente de outros.
E, sem mais delongas, continuarei aqui vigiando sim, e você fica daí, viajando. Papo encerrado!
Abraços Juca e sorte pra nós daqui a pouco (que vença o melhor e que seja o Leão)
O Vigiador.