22.4.09

Corregedor e Correição

Acho que está na hora de a Casa ter coragem de se defender.
Estão colocando nomes de pessoas sérias como se fossem bandidos! Acho que a imprensa quer fechar o Congresso.”

ACM Neto (DEM-BA), deputado e Corregedor da Câmara, no blog do Noblat.

-----

Acho que está na hora da sociedade ter coragem de se defender.
Estão colocando a vida de pessoas sérias na condição de animais irracionais.
Acho que o Congresso quer fechar o país.

25 comentários:

Prof. Alan disse...

Divino, Parente!

De bate-pronto, e na mesma linha da argumentação do Tampinha!

Desde o célebre diálogo entre o primeiro-ministro Winston Churchill e a deputada Nancy Astor, eu não via uma resposta tão adequada!

Vai pro meu blog, plagiei descaradamente!

Juvencio de Arruda disse...

Valeu, prof.

Lafayette disse...

réréré

Também quando li isto quase morri... de rir!

Anônimo disse...

Mestre dos blogs, o ultimo a sair apague a luz ...e puxe a descarga...eita País complicado...mais como diz mamãe que não mora na Pratinha, rs, e sim Castanhal : Democracia é a ditadura da maioria....1 abraço, Mediador de Emoção,

Juvencio de Arruda disse...

Grande Med, com todo o respeito, começo a admirar a sabedoria das mães de meus comentaristas..rs
Abs

Lafayette disse...

Só mães são felizes...

E o Águia daqui a pouco! :)

Jubal disse...

Eu tb já postei.
Valeu, mestre.

Juvencio de Arruda disse...

Valeu, mestre Jubalino.
Abs

Prof. Alan disse...

A propósito, Mano Velho, o Congresso em Foco está com as listas de todos os beneficiados na farra das passagens.

Estão lá, além do deputado Vic Pires, os seguintes parlamentares paraoras:

1) Asdrubal Bentes: um homem "família", foi conhecer Londres com a esposa;
2) Gerson Peres: mandou um filho ou neto (presumo pelo sobrenome) conferir como estava Paris;
3) Nilson Pinto: foi a Santiago do Chile e mandou uns amigos para Buenos Aires e Nova York;
4) Zé Geraldo: fez a feira legal, mandou gente a Paris, Frankfurt, Madri... inclusive há na lista de Zé Geraldo alguém chamado Wigberto Tartuce, não sei se é o célebre Vigão, o riquíssimo empresário candango (Vigão tem um filho com o mesmo nome e sobrenome, daí minha dúvida). O Tartuce em questão foi brindado por Zé Geraldo com uma viagem a Buenos Aires.

Sobre Vigão, lembro que foi um dos pioneiros no pagamento de empregados particulares com dinheiro da Câmara, isso há mais de dez anos atrás, quando foi deputado federal. Tinha 30 carros e morava em uma mansão de 3 mil metros quadrados aqui em Brasília, no bairro mais caro da cidade, o Lago Sul.

Você está se perguntando: "ué, não tá faltando ninguém na lista de deputados gastadores?".

Tá não, Parente: o sempre tão atacado Sobrancelhudo (inclusive já teve comentarista pedindo a lista dele...) não está lá. Não pagou viagem internacional com nosso dinheiro a ninguém.

Nem ele e nem a ex-Senhora Sobrancelhuda.

Zé Geraldo e Vic Pires podiam dormir sem essa...

Juvencio de Arruda disse...

rsrs...já vi, Parente.
Mas essa é só a cota do patrimonialismo internacional, por assim dizer.
Ainda não vi o desembarque nacional...eheh.
O Sobrancelhudo não viaja.
Só quando está debaixo das asas da ...bem, deixa pra lá.

Anônimo disse...

Óleo de peroba nesses cara-de-pau do Senado e da Câmara FEDEral.

Ivana Oliveira disse...

Já postei no twitter, com a devida autoria, pq vc resume toda minha indignação. Bjs, Mestre!!!!

Anônimo disse...

Agora esse pirralho tenta de tudo para fazer todo mundo esquecer o que o avô dele (que satanás o tenha!) fez de péssimo para o Brasil e em particular para a Bahia. Meu irmão mora atualmente no interior desse estado e sempre me conta horrores daquela terra arrasada, em especial na educação, que é a área dele, tudo graças (ou desgraças?) ao coronelismo dessa família infame e sua jagunçada. Assim como na Bahia, no Maranhão, amém. Vade retro!

Anônimo disse...

Ministros do STF discutem durante sessão do tribunal
Joaquim Barbosa disse que Gilmar Mendes 'está destruindo a Justiça'.
Presidente do STF rebateu o colega e encerrou sessão logo depois.

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Medes, presidente da corte, e Joaquim Barbosa tiveram uma discussão durante a sessão plenária desta quarta-feira (22), já no final da tarde.

O tribunal julgava um recurso do governo do Paraná sobre a constitucionalidade de uma lei que incluía os funcionários privados dos cartórios do Paraná no sistema de previdência estadual. Barbosa pediu detalhes sobre o processo, mas Gilmar Mendes retrucou dizendo que o ministro havia faltado à sessão que deliberou sobre o assunto.

A discussão começou quando o presidente do STF disse que Joaquim Barbosa não tinha condições de dar lição de moral a ninguém e que “julga por classe”.

Barbosa respondeu: “Vossa excelência está destruindo a Justiça deste país e vem agora dar lição de moral em mim. Saia à rua ministro Gilmar”.

"Eu estou na rua", disse Mendes.

“Vossa excelência não está na rua não. Vossa excelência está na mídia, destruindo a credibilidade do Judiciário brasileiro. É isso”, disse Barbosa. “Vossa excelência quando se dirige a mim não está falando com os seus capangas do Mato Grosso, ministro Gilmar. O senhor respeite”, acrescentou.

Mendes respondeu: "Vossa excelência me respeite. Eu te respeito".

Logo depois da áspera discussão, a sessão desta quarta foi encerrada.

O bate-boca começou durante a análise de embargos (recursos) protocolados contra duas leis julgadas inconstitucionais pelo Supremo. Uma das ações, a que gerou a discussão, se referia a uma lei estadual de 1999 que criou o Sistema de Seguridade Funcional do Estado do Paraná.

A legislação foi considerada inconstitucional pelo STF em agosto de 2006, mas o recurso questionava se a mesma seria invalida desde sua criação ou somente a partir da decisão.

Outro embargo tratava do foro privilegiado. Em 2005, o Supremo considerou inconstitucional uma lei de 2002 que definia que processos contra autoridades com foro permaneceriam na Corte mesmo se o réu deixasse de ter cargo político.

Desde o final da sessão plenária, os ministros estão reunidos para tratarem do episódio desta tarde. Joaquim Barbosa foi embora do STF após a confusão e a assessoria de Mendes ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Anônimo disse...

A matéria sobre a suposta contratação de mais uma empregada doméstica como assessora parlamentar, desta vez por Carlos Barbosa, é de autoria da Micheline Ferreira, sim. Se ela negou, foi por covardia ou má fé. E só saiu assinada por determinação do diretor de redação, justamente para que a responsabilidade ficasse bem definida.

Anônimo disse...

Enquanto isso, a Kátia Flávia, digo, Abreu quer o impeachement da Gov. Mais uma demoníaca.
Será que vai pedir a cassação do VIC tb?

Anônimo disse...

Desculpem, mas mudando de assunto!!!
Chupem essa manga...

Agencia Estado - 22/4/2009 16:50
CNA deve pedir impeachment da governadora do Pará

A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) deve pedir, na próxima semana, o impeachment da governadora do Pará, Ana Júlia Carepa (PT), por descumprir decisões judiciais para a retirada de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) de fazendas localizadas especialmente no sul do Estado. Hoje, a presidente da CNA, senadora Kátia Abreu (DEM-TO), pediu à Procuradoria-Geral da República intervenção federal no Pará para que sejam cumpridas as decisões judiciais.

Juvencio de Arruda disse...

Obrigado Dra. Ivana.
Os posts são nossos, como a indignação.
Abs

Juvencio de Arruda disse...

Não posso afirmar que a jornalista assim procedeu por ciovardia ou mpa fé, tampouco acreditar que o diretor de redação precisasse se utilizar de tal expediente para que a responsabilidade da jornalista ficasse bem definida.
Posso garantir, apenas, que IVCezal é bem definido.

Juvencio de Arruda disse...

Não posso afirmar que a jornalista assim procedeu por covardia ou má fé, nem acreditar que o diretor de redação precisasse se utilizar de tal expediente para que a responsabilidade da jornalista ficasse bem definida.
Posso garantir, apenas, que IVCezal é bem definido.

Lafayette disse...

E a Águia foi balada.

Mas, foi até onde deu. Parabéns.

Anônimo disse...

Juvêncio, parabéns ! Esta frase merece o mundo e não ficar restrita ao ambiente dos blogs...

Anônimo disse...

Alô Juva,

Coloca esta na ribalta - saiu agorinho, quinta , 23 na FSP


Deputados e senadores se revoltam contra restrições ao uso de passagens aéreas
Publicidade

GABRIELA GUERREIRO
MÁRCIO FALCÃO
da Folha Online, em Brasília

As novas restrições para o uso da cota de passagens aéreas anunciadas hoje pelos comandos da Câmara e do Senado enfrentam resistência entre os parlamentares. Deputados e senadores afirmam que a direção do Congresso está agindo por pressão popular, com a adoção de "medidas precipitadas" para restringir as viagens. Parlamentares subiram nas tribunas das duas Casas para classificar as medidas de "hipócritas", "violentas", "duras" e "acuadas".

51% dos deputados usaram cota de passagem em viagem ao exterior, diz site
Sete deputados sem projeto estão na lista dos mais faltosos da Câmara, diz ONG
Nova regra do Senado limita viagens para o exterior com cota de passagens

O deputado Silvio Costa (PMN-PE) disse que vai recorrer das mudanças anunciadas pela Câmara. O deputado se mostrou indignado quanto à decisão da Casa de impedir que familiares dos deputados usem a cota de passagens aéreas. Pela nova regra, apenas o deputado e um assessor credenciado terão direito a usar o benefício --tanto na Câmara quanto no Senado.

"É uma decisão acuada. A Mesa Diretora tem que anunciar amanhã que não vai estar proibido a utilização das passagens para esposas, filhos e assessores", disse Costa.

Os parlamentares apresentaram levantamentos que comparam os gastos do Legislativo brasileiro com os de outros parlamentos internacionais para atacar as medidas. "Estou aqui querendo me referir a essa sanha violenta, intimidatória. Estou defendendo uma questão republicana. Os americanos têm direito à passagem? Têm. O parlamento americano tem cartão sem limite para a viagem do parlamentar. A França tem custos pagos pelo contribuinte francês? Tem. A Suécia tem? Tem. A Dinamarca tem? Tem. Todos os parlamentos têm. Isso falta ser explicado ao povo brasileiro', disse o deputado Ciro Gomes (PSB-CE).

No Senado, as reações foram semelhantes. Alguns senadores questionaram o fato de que, na semana passada, a Mesa Diretora da Casa não tenha proibido o uso das passagens por parentes. Senadores afirmaram que o comando do Senado recuou após a pressão da mídia.

"Houve uma infelicidade em relação às medidas anunciadas na semana passada. As informações prestadas à população pela imprensa acabaram levando a medidas duras em relação à regulamentação. As decisões certamente foram tomadas em função da pressão popular", disse o senador Marconi Perillo (PSDB-GO), vice-presidente da Casa.

O senador cobrou que as medidas que restringem o uso de passagens também sejam estendidas ao Executivo e Judiciário. "É preciso observar os outros Poderes para saber como estão agindo em relação à transparência", disse o tucano.

O senador Almeida Lima (PMDB-SE) negou que, antes das mudança, as regras sobre o uso de passagens permitiam "brechas" para os parlamentares. "Alguns vieram aqui dizer que essa resolução vem para clarear. Não é verdade. Essa resolução veio para normatizar o que já existe. As normas não eram obscuras, eram claras. Cada parlamentar tem uma cota de passagem por mês, de quem a Casa não pede prestação de contas. Ela é de uso exclusivo dos senadores", afirmou.

Lima disse que não tem "obrigação" de prestar contas da utilização da sua cota de passagens aéreas porque obedece às normas da Casa.

Salários

Ao comentar a possibilidade do Congresso elevar os salários dos parlamentares, o líder do PSDB na Câmara, José Aníbal (SP), disse que os salários dos parlamentares brasileiros são inferiores aos oferecidos por outros países.

"Há muitos parlamentares questionando, avaliando que a medida é hipócrita porque se sabe muito bem que o parlamentar ganha menos do que o parlamentar de qualquer outro lugar do mundo", disse.

O tucano lamentou que a decisão de adiar a discussão sobre o aumento salarial tenha sido tomada isoladamente pela Mesa Diretora da Câmara, sem ser discutida com o colégio de líderes.

O reajuste elevaria os vencimentos de R$ 16,5 mil para R$ 24,5 mil e estaria condicionado à criação de uma cota única que incluiria todos os benefícios e auxílios recebidos pelos parlamentares e a votação de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que impedisse o chamado efeito cascata --desvinculando os salários dos deputados federais dos legislativos estaduais e municipais.

É ou não é muita caradepau?

Ou é pq este é um pays non serieux...

Anônimo disse...

Com relação a materia da micheline, v^c pode acreditar ou não, é um direito seu. até pelo absurdo, a desconfiança é válida. mas o que foi dito aqui é a absoluta verdade. a matéria foi feita por ela, sim, e a assinatura foi determinada pelo diretor de redacao

Anônimo disse...

Como é que ficam a cara de voces que dizem que tudo de safadeza esta metido o nosso Deputado Jader Barbalho? Ele não precisa de passagens fornecida pela Camara para passear, para isto trabalhou muito tempo com honestidade para não depender de ninguem para passear. Com ele passagem dada pela Camara só quando está a trabalho.