25.4.09

Pauta do Jogo

O bicho vai pegar neste sábado à tarde, de 2 às 4, no programa "Jogo Aberto", da Rádio Tabajara FM 106.1.
Vão estar frente à frente, uma semana depois do confronto na fazenda Espírito Santo, que deixou oito feridos, o MST e a Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa).
Os dois lados confirmaram presença no debate, mas o governo do Estado, também convidado, preferiu não aparecer, assim como a Agropecuária Santa Bárbara, suposta dona da fazenda onde tudo aconteceu.
Ulisses Manaças, coordenador estadual e diretor nacional do MST, e o presidente da Faepa, Carlos Xavier, terão muito o que dizer. O jornalista Carlos Mendes, mediador do debate, também vai exibir duas entrevistas com pessoas que estiveram no meio do confronto, uma delas um cinegrafista que colheu imagens exclusivas dos feridos e ouviu os sem terra baleados, assim como o segurança da fazenda atingido em um dos olhos.
O conteúdo das imagens, sem cortes, será exibido no site da Rádio Tabajara durante o programa. Além do rádio e do celular, o "Jogo Aberto" poderá ser sintonizado no endereço www.radiotabajara.com.br

Enviado pelo jornalista Carlos Mendes.

12 comentários:

Anônimo disse...

Este debate eu quero ouvir. Agora Juvêncio, uma pergunta: por que o Cláudio Puty não vai? Será que ele está com medo e quer evitar críticas ao governo da Ana Júlia. Acho estranha essa fuga dele. Quanto à Santa Bárbara não aparecer, eu já esperava. Ou você acha que o Daniel Dantas está preocupado em dar explicações em uma rádio sobre as grilagens de terra que ele pratica no Pará?

Juvencio de Arruda disse...

Também vou ouvir, e depois linkar o vídeo.
Quanto a ausência de Puty, o Carlos Mendes que sempre passa por aqui poderá dar a sua versão.
E com todo o respeito, ainda duvido que depois da desmontagem da farsa do escudo humano e do cárcere privado alguém da grilagem apareça no debate.
A conferir.

Lafayette disse...

Na minha opinião, sabes quem poderia ir a este debate, sempre bom à democracia?

O desembargador aposentado Otávio Marcelino Maciel, Ouvidor Agrário do Tribunal de Justiça e Presidente da Comissão Permanente de Monitoramento, estudo e Assessoramento das Questões ligadas à Grilagem.

Olhem só o que diz a própria Ouvidoria Agrária do nosso Poder Judiciário:

http://www.tj.pa.gov.br/ouvidoriaAgraria/index.html

REFORMA AGRÁRIA

Reforma Agrária – É a reforma das condições das populações agrícolas, visando a elevar seus padrões de vida e de produtividade. Em outras palavras, ela consiste numa reorganização do sistema agrário deficiente ou improdutivo de um país, com o fito de melhorar o padrão de vida dos agricultores e trabalhadores rurais e tendo, como conseqüência, rendimento maior no seu trabalho.

Fins da Reforma Agrária – O fim primeiro de uma reforma agrária é melhorar as condições de vida do homem do campo, a fim de dar um modo de vida mais elevado ao seu morador.
A reforma agrária há de ser feita dentro da justiça e sem violar direitos alheios.

Programa de reforma agrária
1 – Facilitar ao homem do campo a aquisição de uma propriedade rural onde possa trabalhar.
2 – Proporcionar aos agricultores créditos e juros módicos. O dinheiro lhes é necessário para levar avante suas empresas.
3 – Organizar cooperativas para defesa dos direitos e interesses do agricultor, promovendo indústrias e serviços relativos à conservação, à transformação e finalmente ao transporte e venda dos produtos agrícolas.
4 – Facilitar igualmente a aquisição de instrumentos apropriados ao trabalho.
5 – É necessário elevar o nível cultural e humano do trabalhador.
6 – Ensinar-lhes os novos processos, as novas técnicas.
7 – Ensinar ao homem do campo a amar a terra, a conhecê-la, a conhecer a sua composição para saber que tipo de cultura corresponde.
8 – Trazer agricultores estrangeiros integrados numa cultura superior, conhecedores da moderna lavoura.
9 – Combate à erosão e às pragas.
10 – Finalmente encaminhar, para a industrialização, as zonas em que a agricultura é insuficiente para assegurar teor de vida conveniente.

Benefícios da Reforma Agrária
– Melhoramento das condições humanas dos agricultores.
- Maior rendimento e maior produção.
- Desenvolvimento econômico do país.
- Melhora das condições de vida da comunidade nacional.
- Bem-estar na população rural, evitando-se as fugas para a cidade.

Princípios de Reforma Agrária
– Ela deve ser economicamente sã.
- Deve ser moralmente justa; deve ser socialmente democrática.
- Deve ser tecnicamente moderna.
E, agora, veja o que noticia, dia 08/04/2009, a Ouvidoria Agrária do TJE:

http://www.tj.pa.gov.br/ouvidoriaAgraria/noticias.html

(08.04.2009 - 11h00) CNJ CRIA FÓRUM PARA MONITORAR CONFLITOS FUNDIÁRIOS

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) criou no dia 20 um fórum nacional para monitorar e resolver conflitos fundiários rurais e urbanos. De acordo com a Portaria 491, assinada pelo presidente do CNJ, ministro Gilmar Mendes, o fórum vai elaborar estudos e propor medidas normativas para melhorar procedimentos e dar mais efetividade aos processos judiciais sobre a questão fundiária.
O fórum será responsável pelo monitoramento das ações de desapropriação de terras para reforma agrária, rural ou urbana e as que são relativas ao domínio e posse de imóveis resultantes de ocupação desordenada. Os processos relativos a casos de trabalho escravo que estão em tramitação também serão acompanhados.
O grupo terá ainda a responsabilidade de estudar e monitorar as atividades dos cartórios de registro de imóveis em questões de ocupação do solo e de propor medidas que melhorem as rotinas processuais e a organização das unidades judiciárias competentes por esse tipo de causa. Também poderão ser objeto de propostas do fórum, medidas normativas para prevenir conflitos judiciais e definir estratégias nas questões agrárias, urbanas e habitacionais.
O fórum foi criado a partir da Recomendação nº 22, aprovada na sessão do último dia 04, destinada aos tribunais e as varas de justiça, que busca priorizar demandas jurídicas que envolvem conflitos fundiários.

RECOMENDAÇÃO Nº 22, DE 4 DE MARÇO DE 2009.

Recomenda aos tribunais que priorizem e monitorem permanentemente demandas jurídicas envolvendo conflitos fundiários.
O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições,
CONSIDERANDO a existência, no Brasil, de elevado número de processos judiciais envolvendo questões fundiárias,
CONSIDERANDO ainda que a atividade judiciária é essencial para a pacificação dos conflitos sociais,
CONSIDERANDO, finalmente, que a contenção dos crescentes níveis de violência constatados diariamente sobre esse tema depende de uma atuação alerta, assertiva e eficaz do sistema de justiça em nosso país;

RESOLVE:

RECOMENDAR aos Tribunais e às Varas que:

1. Priorizem e monitorem constantemente o andamento dos processos judiciais envolvendo conflitos fundiários;
2. Implementem medidas concretas e efetivas objetivando o controle desses andamentos.
Publique-se e encaminhe-se cópia desta Recomendação para todos os Tribunais da Justiça Comum Estadual, Federal e do Distrito Federal.

Brasília, 4 de março de 2009.
Ministro Gilmar Mendes
Presidente CNJ
Só aí, dava uma pauta para programa de dois dias e meio, sem pausa para os comerciais!

Anônimo disse...

Olá, primo

Falei ainda no domingo com o Cláudio Puty, durante matéria que estava fazendo para "O Estado de São Paulo", quando o convidei para participar do debate neste sábado. O Puty respondeu que se estivesse em Belém e não tivesse outros compromissos iria tranquilamente ao debate. Durante a semana falei com vários assessores dele, que ficaram de confirmar. Mas ontem, lamentavelmente, apesar de insistir, não obtive mais qualquer resposta dos assessores do Puty. Não sei a causa desse mutismo. O Puty já esteve uma vez no "Jogo Aberto", não se esquivou de nenhuma pergunta impertinente, minha ou do jornalista Francisco Sidou, e conseguiu deixar no programa uma das maiores marcas de audiência, tamanho foi o volume de telefonemas e emails. Ainda que haja mutismo, quem sabe o Puty não aparece de surpresa na rádio? Ah, ia esquecendo: O Sidou vai estar no debate, firme e forte.

Um abraço

Carlos Mendes

Juvencio de Arruda disse...

Bom dia, primo.
Obrigado pela visita e ótimo programa.
Estaremos ouvindo.
Abs pra vc e pro Chico Sidou.

Anônimo disse...

Desde já umas perguntinhas ao cidadão Carlos Xavier: como ele explica a farsa televisiva? Por que ele defende a reintegração de posse em outra área que não aquela que o juiz determinou que fosse devolvida a seu legítimo dono? ( ainda que esta legitimidade também possa ser contestada).A Faepa defende a ilegalidade, já que apoia o ato desonesto dos grileiros que se apoderaram da Fazenda Espírito Santo? A Faepa defende o uso de pistoleiros armados com armas exclusivas das forças armadas pelos grileiros? Mesmo com as provas documentadas, a Faepa ainda afirma que o MST atacou os "seguranças" da fazenda? E, finalmente: qual a marca do óleo de peroba usado por essa gente?

Anônimo disse...

Ao anonimo das 2:07 - Quem tem que explicar esta fraude são os Maiorgranas e não o Xavier.

Anônimo disse...

E por acaso o Xavier está fora da farsa e é uma criatura cheia das melhores intenções, anônimo das 3:57?

Anônimo disse...

Juva
Tu ouviste o debate pela Rádio Tabajara? ´Nível de qualidade acima, muito acimna da média. O diretor da Santa Bárbara ligou de Minas Gerais e sanacou a Ana Júlia. O Ulisses apareceu quando faltavam trinta minutos para o programa terminar e deu um banho de inteligência nos que criticam o MST. O Xavier foi quem me pareceu um pouco tímido. O Carlos Mendes, como mediador e apresentador do debate, questionou com sabedoria e elegância a todos. E fiz isso sem perder a contundência, chegando a chamar a reforma agrária federal de "grande fraude e farsa". Olha, que banho de debate, Juva.

Anônimo disse...

Prezado Juvêncio
O Puty não deu as caras no debate da Rádio Tabajara. Que decepção ! Ele fugiu com o rabo entre as pernas para não ouvir de corpo presente as críticas ao (des)governo da Ana Júlia. O que me dizes, Juvêncio, da ausência do Puty? Tá com cheiro de medo.

Juvencio de Arruda disse...

Puty fez forfait.
Medo? Tu dizes?
Vou mandar um e.mail pra ele, perguntando o motivo da ausência. Quem sabe a resposta estará no blog amanhã?
Leia amanhã, no Quinta Emenda...rs

Anônimo disse...

Juca: Tu tas com toda a bola, o que fizeste para este Senhor PUTY te atender? Com a tua intimidade com ele não dá para avisa-lo que a Ana Julia é a Governadora desde 01.01.2006 e que Almir o inesquecivel e Jatene são ex-Governadores.